28 maio 2009

27 maio 2009

Perguntas de um Mendigo que Lê


Neste ano de 2009 o Grupo Crinabel Teatro leva à cena a sua 21º produção, o espectáculo Perguntas de um Mendigo que Lê, a partir de Bertold Brecht, com encenação de Marco Paiva.
Mais uma vez, este colectivo de Lisboa com características tão singulares aposta num dos mais reconhecidos autores do século XX.
Depois do espectáculo Metamorfose, de Franz Kafka, que rendeu à companhia elogios do público e da crítica (bem como potenciou a criação de um documentário realizado por Bruno Cabral e produzido pelos Filmes do Tejo, documentário esse, vencedor do 1º Prémio do Festival Internacional de Artes Performativas de 2008), este colectivo avança agora sobre o forte sentido político e Humano da obra de Brecht.

http://crinabelteatro.blogspot.com/

De 4 a 7 de Junho de 2009, de quinta a sábado às 21h30 e Domingo às 17h00, no Teatro da Comuna - Praça de Espanha - Lisboa
Contacto para reservas: 964693527 (Marco Paiva)
E-mail: crinateatro@gmail.com

20 maio 2009

Para ver até 7 de Junho

FIMFA 09, Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas http://www.fimfalx.blogspot.com/


Sementes, 14ª Mostra Internacional de Artes para o Pequeno Público
http://www.teatroextremo.com/te.htm

15 maio 2009

"O Poeta morava no fundo da floresta, numa torre muito alta e muito antiga, coberta de heras, de glicínias e de roseiras. Oriana voou sobre as árvores através do primeiro azul da noite. A porta da torre estava aberta, mas oriana entrou pela janela com a brisa. As rosas da trepadeira estremeceram e dançaram quando ela chegou.
- Hoje vens tarde - disse o Poeta.
- Estive debruçada sobre o rio a ver o meu reflexo - respondeu Oriana. - Demorei-me porque fiquei encantada com a minha beleza.
- Oriana - pediu o Poeta -, encanta a noite.
Então Oriana tocou com a sua varinha de condão na noite e a noite ficou encantada.
E o Poeta disse-lhe:
- O que tu trazes é muito mais do que a beleza. No mundo há muitas meninas bonitas. Mas só tu é que podes encantar a noite porque és uma fada.
Então Oriana sentou-se na beira da janela e contou as histórias maravilhosas dos cavalos do vento, da caverna dos dragões e dos anéis de Saturno. O Poeta disse-lhe os seus versos, que eram claros e brilhantes como estrelas. Depois ficaram os dois calados enquanto a lua subia no céu. Até que um sino trouxe de longe o som das doze badaladas da meia-noite e Oriana e o Poeta despediram-se."

A Fada Oriana, de Sophia de Mello Breyner Andersen

08 maio 2009


Fuga para o Egipto, de Paula Rego

01 maio 2009

No dia do trabalhador...


aconselhamos a fábula A Cigarra e a Formiga, escrita por Esopo e mais tarde revitalizada por Jean de La Fontaine. Mas atenção: se fazem da formiga um ser amargo que só pensa em trabalho, é com a cigarra que as crianças se identificarão. E ainda bem. Seria essa a intenção de La Fontaine?