31 dezembro 2009

25 dezembro 2009

"Nessa hora encantada, o Pai Natal tinha a preciosa ajuda dos Ukres e dos Faines.
Os Ukres eram sete. O mais pequenino de todos chamava-se Serapicotim e tinha a voz de sino de vidro.
Os Faines eram os habitantes da aldeia que, à noite, tirando a bela Celestina, se transformavam em sábios e feiticeiros. Quando isso acontecia, aos aldeões cresciam-lhes as orelhas e as cabeças ficavam bicudas.
Mas enquanto os Ukres e os Faines trabalhavam, o Pai Natal fazia a preparação física das Alapas, que eram as renas voadoras, que conduziam o turbo-trenó.
Este trenó especial de corrida, chamava-se Deslize e tinha piloto automático, airbag, ar condicionado, travões com sistema ABS e direcção assistida.
As Alapas voadoras sabiam, de cor e salteado, o caminho pelas ruas, praças, caminhos e chaminés do mundo inteiro mas, antes da viagem, tinham de tomar um banho de bafo de onça.
O Pai Natal tinha saído para fazer a preparação física das Alapas e as tarefas de fabricação de brinquedos iam iniciar-se."


A Aldeia Encantada, de José Vaz (texto) e Marta Madureira (ilustração)

18 dezembro 2009

The Vienna Vegetable Orchestra

Uma orquestra de instrumentos efémeros, mas saborosos: no final dos concertos oferecem-nos ao público... numa sopa.

29 novembro 2009

Pintassilgo


O pintassilgo diz:

- nada me consola,

eu não sou feliz nesta gaiola.


Do céu azul e da amplidão

eu sinto muitas saudades.

Não quero esta solidão

cada minuto e segundo.


Crianças, quebrem as grades

de todas as gaiolas do mundo.



Sidónio Muralha

24 novembro 2009

Évora - Espaço Celeiros

A surpresa do telefone foi desmascarada, logo de início, por uma menina curiosa. As crianças foram de tal forma participativas, que alguns pais até pareciam embaraçados.

Para nós, uma experiência gratificante, que despertou reflexão: como pode um espectáculo desencadear reacções tão diferentes!
Porque aqui pareceu-nos que os objectos apresentados se sobrepuseram ao modo como nós os apresentámos. Duas possíveis razões: uma é que o espectáculo foi divulgado como oficina; outra é que não utilizámos os focos de luz, que centram mais a atenção sobre nós.

15 novembro 2009

Relembramos...

que estaremos em Évora no dia 22, pelas 16 horas, para apresentar O Baú do Bebé, no espaço Celeiros.

Um convite da Associação Pé de Xumbo
www.pedexumbo.com

Georgia O'Keeffe (Novembro 1887 - Março 1986)



26 outubro 2009

De Águeda, recebemos as fotos dos espectáculos
do festival i (onde colaborámos) e do festival O gestO Orelhudo
Um agradecimento especial à D'Orfeu, pela gentileza com que nos trataram

21 outubro 2009

sinónimos

Sofá: almofá (Leonor, 2 anos e meio)

Chaise longue: sofá deitante (Miguel, 9 anos)
Corpo humano: corpo do mano (Vasco, 3 anos)

Fogo de artifício: fogo de martifício (Tomás, 3 anos)

Coçar: comichar (Vasco, 4 anos)

14 outubro 2009

O Baú do Bebé no espaço Celeiros, em Évora

No Domingo, dia 22 de Novembro, às 16 horas, vamos a Évora apresentar O Baú do Bebé.

Um iniciativa da Associação Pé de Xumbo
http://www.pedexumbo.com/

11 outubro 2009

Microband



Um projecto que tivemos o prazer de ver actuar em Águeda

05 outubro 2009

Águeda - Festival I



Abrimos o baú de manhã, num espaço maravilhoso.
As bolas de sabão estavam um pouco renitentes em se mostrar. O mesmo não se passou com crianças e adultos, que tão bem reagiram às nossas propostas.






À tarde, a nossa raposa conquistou o público. No momento de mendigar houve até que lhe desse uma moeda. Salta Pocinhas tentou trocá-la por um naco de carne; em vão, porque ninguém vinha preparado para negociações.
O festival dedicado ao público infantil e familiar terminou hoje, mas o gestO Orelhudo continua até sexta-feira. Veja o programa em http://www.dorfeu.pt/eventos/orelhudo/2009/programa_09.htm




30 setembro 2009

21 setembro 2009

Outono



Autumn Leaves, de G. O'Keeffe

15 setembro 2009

Para quem já esqueceu e para quem ainda não sabe...

No dia 4 de Outubro estaremos em Águeda para participar no 7º festival O Gesto Orelhudo, uma iniciativa da Associação Cultural d'Orfeu.

Pelas 11 horas O Baú do Bebé estará na Casa do Parque da Alta Vila. Às 14.30 apresentaremos o Romance da Raposa no Teatro de Bolso da Casa do Adro.


Veja a programação infantil



Saiba tudo sobre o festival

06 setembro 2009

Para quem não conhece Salta Pocinhas, raposeta pintalgreta, senhora de muita treta, ou para quem se recorda de a ver na televisão...



31 agosto 2009

25 agosto 2009

O Feiticeiro de Oz




Em Maio de 1900 é publicado O Maravilhoso Feiticeiro de Oz, da autoria de Lyman Frank Baum.

Faz hoje setenta anos que o filme estreou. O compositor Harold Arlen recebeu os oscares pela melhor banda sonora e pelo melhor tema original - Over the Rainbow.




15 agosto 2009

Pinto Pançudo no festival O Gesto Orelhudo

No dia 4 de Outubro estaremos em Águeda para participar no 7º festival O Gesto Orelhudo, uma iniciativa da Associação Cultural d'Orfeu.

Pelas 11 horas O Baú do Bebé estará na Casa do Parque da Alta Vila. Às 14.30 apresentaremos o Romance da Raposa no Teatro de Bolso da Casa do Adro.


Veja a programação infantil



Saiba tudo sobre o festival

12 agosto 2009

06 agosto 2009

A família prepara-se para o casamento de uns amigos. A menina, de 5 anos, leva o vestido que o pai lhe comprou. Há muito que já está pronta. A mãe, depois de se maquilhar, enfeita-se de brincos.
A filha observa-a e diz com sedução para o pai:
- a mãe está a arranjar-se para ver se fica mais bonita que eu. Mas não consegue.
O pai sorri, orgulhoso por a fazer sentir-se tão bela. O psicanalista sorri e adverte: na verdade a criança não se sente mais bela do que a mãe, mas quer acreditar que é. A mãe sorri, porque descobre nesta afirmação as histórias que lhe conta: Gata Borralheira; Rapunzel; A Princesa Pele de Burro; e, naturalmente, Branca de Neve.

03 agosto 2009

Rapunzel

A Ana e o Sebastião irão colaborar com a equipa da Casa da Fadas (www.casadasfadas.com) no teatro de marionetas, com a história que tão bem conhecem e que tanto admiram.
Na biblioteca da praia de St.ª Cruz, dia 8 de Agosto, pelas 21.30.
Apareçam

30 julho 2009


A Menina do Mar, foi composta por Fernando Lopes Graça em 1959, baseada no conto homónimo de Sophia de Mello Breyner Andresen. O disco foi editado pela EMI em 1977 (com vozes de Eunice Muñoz, Francisca Maria, António David e Luís Horta e direcção de Artur Ramos) e muitas vezes ouvido por Ana e pelos seus irmãos. Agora, também pelos seus filhos.
Só em 2005 o disco voltou a ser reeditado, mas cedo esgotou.
Apenas poderão ouvir o início em http://cvc.instituto-camoes.pt/disco/155/disco155.html

25 julho 2009



As nossas desculpas para quem não domina a língua inglesa, mas não ousamos traduzir

12 julho 2009

Jacques-Louis David


A morte de Sócrates

02 julho 2009

01 julho 2009

Destrava línguas

"Se o Arcebispo de Constantinopla se quisesse desarcebisconstantinoplizar, quem o desarcebisconstantinoplizaria?"

No livro Destrava Línguas, uma recolha e selecção de Luisa Ducla Soares, com muito boas ilustrações de Susana Oliveira

27 junho 2009

Michael Jackson



O que realmente admirávamos em Michael Jackson era a sua admiração por Marcel Marceau

22 junho 2009

temas musicais para bebés






Le Mystere des voix bulgares

15 junho 2009

o limpa-palavras

Limpo palavras.
Recolho-as à noite por todo o lado:
a palavra bosque, a palavra casa, a palavra flor.
Trato delas durante o dia
enquanto sonho acordado.
A palavra solidão faz-me companhia.

Quase todas as palavras
precisam de ser limpas e acariciadas:
a palavra céu, a palavra nuvem, a palavra mar.
Algumas têm mesmo de ser lavadas,
é preciso raspar-lhes a sujidade dos dias
e do mau uso.
Muitas chegam doentes,
outras simplesmente gastas, estafadas,
dobradas pelo peso das coisas
que trazem às costas.

A palavra pedra pesa como uma pedra.
A palavra rosa espalha o perfume no ar.
A palavra árvore tem folhas, ramos altos.
Podes descansar à sombra dela.
A palavra gato espeta as unhas no tapete.
A palavra pássaro abre as asas para voar.
A palavra coração não pára de bater.
Ouve-se a palavra canção.
A palavra vento levanta os papéis no ar
e é preciso fechá-la na arrecadação.

No fim de tudo voltam os olhos para a luz
e vão para longe,
leves palavras voadoras
sem nada que as prenda à terra,
outra vez nascidas pela minha mão:
a palavra estrela, a palavra ilha, a palavra pão.

A palavra obrigado agradece-me.
As outras não.
A palavra adeus despede-se.
As outras já lá vão, belas palavras lisas
e lavadas como seixos do rio:
a palavra ciúme, a palavra raiva, a palavra frio.

Vão à procura de quem as queira dizer,
de mais palavras e novos sentidos.
Basta estenderes a mão para apanhares
a palavra barco ou a palavra amor.

Limpo palavras.
A palavra búzio, a palavra lua, a palavra palavra.
Recolho-as à noite, trato delas durante o dia.
A palavra fogão cozinha o meu jantar.
A palavra brisa refresca-me.
A palavra solidão faz-me companhia.

Álvaro Magalhães

10 junho 2009

03 junho 2009

Concertos da Orquestra Metropolitana de Lisboa com entrada livre

5ª feira, 4 de Junho, das 18 às 23 horas, dia da Metropolitana
na sua sede

Domingo, 21 de Junho, às 18 horas, concerto comentado
no cinema S. Jorge

Mais informações em http://www.oml.pt/

28 maio 2009

27 maio 2009

Perguntas de um Mendigo que Lê


Neste ano de 2009 o Grupo Crinabel Teatro leva à cena a sua 21º produção, o espectáculo Perguntas de um Mendigo que Lê, a partir de Bertold Brecht, com encenação de Marco Paiva.
Mais uma vez, este colectivo de Lisboa com características tão singulares aposta num dos mais reconhecidos autores do século XX.
Depois do espectáculo Metamorfose, de Franz Kafka, que rendeu à companhia elogios do público e da crítica (bem como potenciou a criação de um documentário realizado por Bruno Cabral e produzido pelos Filmes do Tejo, documentário esse, vencedor do 1º Prémio do Festival Internacional de Artes Performativas de 2008), este colectivo avança agora sobre o forte sentido político e Humano da obra de Brecht.

http://crinabelteatro.blogspot.com/

De 4 a 7 de Junho de 2009, de quinta a sábado às 21h30 e Domingo às 17h00, no Teatro da Comuna - Praça de Espanha - Lisboa
Contacto para reservas: 964693527 (Marco Paiva)
E-mail: crinateatro@gmail.com

20 maio 2009

Para ver até 7 de Junho

FIMFA 09, Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas http://www.fimfalx.blogspot.com/


Sementes, 14ª Mostra Internacional de Artes para o Pequeno Público
http://www.teatroextremo.com/te.htm

15 maio 2009

"O Poeta morava no fundo da floresta, numa torre muito alta e muito antiga, coberta de heras, de glicínias e de roseiras. Oriana voou sobre as árvores através do primeiro azul da noite. A porta da torre estava aberta, mas oriana entrou pela janela com a brisa. As rosas da trepadeira estremeceram e dançaram quando ela chegou.
- Hoje vens tarde - disse o Poeta.
- Estive debruçada sobre o rio a ver o meu reflexo - respondeu Oriana. - Demorei-me porque fiquei encantada com a minha beleza.
- Oriana - pediu o Poeta -, encanta a noite.
Então Oriana tocou com a sua varinha de condão na noite e a noite ficou encantada.
E o Poeta disse-lhe:
- O que tu trazes é muito mais do que a beleza. No mundo há muitas meninas bonitas. Mas só tu é que podes encantar a noite porque és uma fada.
Então Oriana sentou-se na beira da janela e contou as histórias maravilhosas dos cavalos do vento, da caverna dos dragões e dos anéis de Saturno. O Poeta disse-lhe os seus versos, que eram claros e brilhantes como estrelas. Depois ficaram os dois calados enquanto a lua subia no céu. Até que um sino trouxe de longe o som das doze badaladas da meia-noite e Oriana e o Poeta despediram-se."

A Fada Oriana, de Sophia de Mello Breyner Andersen

08 maio 2009


Fuga para o Egipto, de Paula Rego

01 maio 2009

No dia do trabalhador...


aconselhamos a fábula A Cigarra e a Formiga, escrita por Esopo e mais tarde revitalizada por Jean de La Fontaine. Mas atenção: se fazem da formiga um ser amargo que só pensa em trabalho, é com a cigarra que as crianças se identificarão. E ainda bem. Seria essa a intenção de La Fontaine?

23 abril 2009

08 abril 2009

A Dança


A Dança, de Henry Matisse (1910)

03 abril 2009

26 março 2009

O ZBIRIGUIDÓFILO

Era uma vez um menino que tinha um zbiriguidófilo em casa.
Foi um tio, que viajava muito, quem lhe trouxe um dia o zbiriguidófilo, das ilhas Sandwich na Polinésia, escondido numa lata de bolachas (pois, como sabem, é proibido trazer zbiriguidófilos de lá).
É claro que o menino ficou muito contente: mais ninguém tinha um zbiriguidófilo senão ele!
E, além disso, o zbiriguidófilo era lindo: tinha várias cores e, quando o punham ao sol, mudava as cores dumas para as outras (de maneira que ficava sempre com as mesmas, mas trocadas – não sei se estão a perceber: onde antes era amarelo, ficava verde, e onde antes era verde, ficava amarelo…).
O menino tinha muito cuidado com o zbiriguidófilo, está visto. Era o seu tesouro!
Lavava-o, dia sim dia não, com uma misturar de sumo de tomate e pó de talco, pois é assim que os zbiriguidófilos ficam mais luzidios, e secava-o depois entre as folhas do caderno de matemática, pois é isso que faz os zbiriguidófilos felizes. Os zbiriguidófilos adoram papel quadriculado.
O menino sonhava um dia levar o zbiriguidófilo à escola e mostrá-lo aos seus amigos.

Amaral, P.K. (1991). O Zbiriguidófilo e outras histórias. Porto: Asa.

15 março 2009

Externato Abelhinha

Estivemos de novo no Externato Abelhinha. Ouviram-nos os meninos da sala dos 2 anos e os meninos da sala dos 3 anos.
Levámos uma amiga, a Patrícia, que, além de observar e tirar as fotos, participou na dança final com todos.
veja as fotos em

08 março 2009

A Árvore da Vida

Antecipando a chegada da Primavera, A Árvore da Vida de Gustav Klimt (1909)

08 fevereiro 2009

Apolo e Dafne

Apolo e Dafne, de Antonio Pollaiulo

07 fevereiro 2009

Charles Darwin



Em Novembro passado comemoraram-se 150 anos da publicação do livro A Origem das Espécies.
A 12 de Fevereiro assinalam-se os 200 anos do nascimento de Charles Darwin.
Até Maio, pode ver na Fundação Calouste Gulbenkian...

http://www.gulbenkian.pt/darwin/home.html

17 janeiro 2009

A Casa do Silêncio

O silêncio
vive numa casa
onde a música
entra quase
sem pedir licença.

João Pedro Messeder

10 janeiro 2009

Propomo-nos apresentar mensalmente uma imagem que entendemos ter interesse pedagógico. Assim, começamos pelo Verão, de Giuseppe Arcimboldo

03 janeiro 2009

A toupeira que queria saber...

O livro é conhecido e já há muito tempo utilizado em Jardim-de-Infância, pelo potencial pedagógico que encerra.